Social icons


Uganda, março 2018 - o país dos sorrisos

Passaram-se exatamente 23 dias e falta, portanto, precisamente uma semana para embarcar. O que dizer até agora? Tem sido um desafio constante, um misto de emoções e um teste a tudo. Mal pus os pés nesta Terra do Nunca, a minha bagagem teimava em não chegar e a Internet em não funcionar. Aparentemente a UCC (Uganda Communications Commission) decidiu proibir por tempo indeterminado o registo de SIM cards no país. Já não me lembro ao certo o tempo que estive condicionada a encontrar um Wi-fi, algures perdido num restaurante. Felizmente (ou não) o tempo de espera para comer é sempre superior a 45 minutos e, por essa razão, tinha tempo de sobra para me conectar. Isto se, claro está, o iPhone ainda tivesse bateria (o eterno problema, sabem, não é?) já que também não parecia assim tão fácil conseguir encontrar um adaptador. Felizmente a Stella tem sempre uma solução para tudo e o que importa é não stressar e relembrar (sempre) que a maioria das pessoas por aqui não tem sequer um telemóvel, nunca ouviu falar de redes sociais e na verdade só gostariam de ter um colchão para dormir. A maioria não tem um colchão para dormir. As crianças da 22 Stars conseguiram agora um colchão cada uma (aposto que dormem em cada colchão 8 pessoas, no mínimo) e eu dava tudo para vocês verem a festa que elas fizeram. Elas, as mães e toda a comunidade.

Têm sido dias intensos, é um facto. Cheios de peripécias, horas mal dormidas, mas no final do dia carregamos tantos mas tantos sorrisos no peito. Agarramos tantas mãos diariamente e abraçamos tantos corações. Eles e elas acham que lhes saiu a sorte grande. Eu cá acho que só têm, agora, um bocadinho do que merecem. E no meio disto tudo, gosto sempre de acreditar que a mim é que me saiu a sorte grande: por poder ver os seus sorrisos diariamente e por poder (novamente) perceber quão gratos devemos ser pelas nossas vidas.
Na segunda-feira (26 de março) conheci uma Australiana que me perguntou o que fazia por cá. Depois disso disse-me: é tão difícil, não é? Expressar o que sentimos por aqui. Deitar cá para fora e expor por palavras tudo o que vivemos intensamente com estas pessoas. Oh se é. Acenei com a cabeça, quando constatei que não era a única. Vou demorar a conseguir falar sobre isto. Acho que, na verdade, nunca conseguirei pôr por palavras tudo o que vivi, senti, experienciei. E de cada vez que chego por perto, eles correm para me abraçar com toda a intensidade do mundo. Se me sento, tenho logo dois ao meu colo e outros tantos agarrados aos meus braços e pernas e outros a mexer-me nos cabelos e nas unhas. “You are the best best girl/teacher.” Repetem. Vezes sem fim. Mas quando dizem “you are my savior” só tenho vontade de gritar para pararem e dizer de volta “no, I’m not. You are mine.” Porque eles nos tocam no coração e nos mudam cá dentro. E eu sei que nunca vou conseguir passar-vos tudo o que senti por cá. Nunca vou conseguir contar-vos tudo o que vivi por cá. Mas sei que no dia em que me for, um bocadinho do meu coração ficará com eles e sei que terei mudado um pouco. 

Como é que alguém consegue viver num quadrado de casa, com uma média de 10 pessoas lá dentro, sem um colchão, sem água quente, sem luz (a maioria) e com (no máximo) uma refeição diária no estômago, perguntam vocês? E acho que a minha melhor resposta a isso seria: porque nunca conheceram outra realidade e porque no final do dia, para eles, tudo o que importa é estarem vivos. E eu só vos posso dizer que sou muito feliz aqui, no meio deles.


Já me segues nas redes sociais?

14 comentários

  1. Sigo-te no Instagram e tenho visto as tuas aventuras pelo Uganda e fico sempre com pele de galinha. Tens razão que nunca vamos compreender o que é realmente isso que estás a viver mas é bom ver, desde lado de cá, a tua compaixão para com essas crianças com sorrisos lindíssimos! Admiro-te muito por isso :)

    https://mywanderingdayss.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito grata Marisa pelo teu carinho <3 No que depender de mim vou sempre tentar explicar-vos/ transmitir-vos um bocadinho do que se passa nestas minhas missões.
      Um grande beijinho

      Eliminar
  2. obrigada pelo comentário <3
    deve estar a ser uma experiência única!

    www.pinkie-love-forever.blogspot.com

    ResponderEliminar
  3. Adorei este post! Realmente deve ser uma experiência única e super intensa mas ao mesmo tempo muito gratificante! Beijinhos

    diananasnuvens.blogspot.com

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sem dúvida querida! Muito muito obrigada <3

      Eliminar
  4. Ohn que texto inspirador. Gostava tanto, mas tanto de ter a oportunidade de ajudar alguém dessa forma. Espero conseguir num futuro não muito longínquo :)

    Beijinhoos,
    santiago | facebook | instagram

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tomara que sim! Se precisares de um "empurrãozinho" diz-me :) Beijinhos

      Eliminar
  5. Tenho seguido esta tua aventura através das fotos que publicas no Instagram e acho incrível o que estás a fazer! Deve ser realmente uma experiência e tanto!
    Beijinhos

    http://averamarques.blogspot.com

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh, se é! Muito obrigada querida Vera! Um enorme beijinho

      Eliminar
  6. Descobri o teu blog e estou a adorar ler estes posts, enchem-me o coração.
    Beijinhos, Suspiros da Bea

    ResponderEliminar
  7. Linda fotografia! Onde expressa verdadeiros sentimentos de carinho e afeto.
    Abraço.

    ResponderEliminar

‎Copyright © Kéké 2017. Com tecnologia do Blogger.

Instagram